<!-- --><style type="text/css">@import url(//www.blogger.com/static/v1/v-css/navbar/3334278262-classic.css); div.b-mobile {display:none;} </style> </head><body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d31012094\x26blogName\x3d\x27\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttps://viravento.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttps://viravento.blogspot.com/\x26vt\x3d-7147497518184499159', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

Doze meses. Doze Post's.

1.7.07


em julho, 2006.
.

Ao fundo, um rádio tipo transistor envolto em sintonias precárias anuncia móveis da vizinhança.
Acendi um Gigante e vim até à Varanda.
Até à minha Varanda de vista longa e elevada sobre uma baía que o mar roubou a Portugal.
Não é mentira, estou aqui,

consegui cá chegar,
cá me perfazer,

cá querer crescer.
.
A sinergia de praia está instalada.

Eis a razão pela qual a Apúlia nunca me decepciona: o sol crestou a pele e impeliu-me de imediato a cheirar a protector solar.
Passam gentes de vestidos de verão, guarda-sóis debaixo do braço, máquinas apoiadas nas barrigas.
As barracas de praia permanecem listadas a azul e branco praia mar.
.
O vento de Norte cumpre-se em promessas e agita bandeiras e bandeiras de gelados que me cantam ‘Olá!’ ‘Olá!’ ‘Olá!’ até eu lhes perder o ritmo.
Apúlia, precisamente como a precisava.
.

Dei com uma andorinha a fazer ninho na quebra do tecto.
Frenética!
Fiquei ali, a olhar para ela e senti-me no meio de um dos contos de fadas
que me contavam em menina
em que os passarinhos vinham à nossa vida para dar laços em chapéus de aba
ou para anunciar a chegada de um grande amor.
Disse-lhe ‘está bem, venha ele!’
e fui logo ao fundo do saco do pão buscar migalhinhas para ela me saber sempre encontrar.

.
A foto que guardo ao dia é, porém, a imagem do Che na parede do salão de jogos da Vila.
.




Seamos realistas
exijamos lo imposibile.”
.



.
Concentro-me nos reflexos prata
a colidirem no negro noite de mar.
A Lua está irrepreensivelmente cheia.
Sinto-me rodeada pelas partes do universo que mais mistérios me lançam.
Sinto-me enquadrada.
Sinto que pertenço.
.
O acaso dá a achega desejada e põe o Oceano Pacífico
– esse mito! –
a passar I still haven’t found what I’m looking for.
Doce garantia esta de não o ter perdido,
de apenas não o ter encontrado.

posted by SCS
julho 01, 2007

2 Comments:

Anonymous Anónimo said...

olha q dois.....

teresinha guilherme e manuel luis???

não!

dois revoluvionarios... seria bom, te-los vivos hj em dia.

o fidel já ha algum tempo q morreu...e o che não passa dum mito!

infelizmente, agora convivemos com um shake dos dois mas o gelo deve ser angolano e dá diarreia ouvi-lo.

é triste como um pais produtor de petroleo vive na penumbra da realidade do primeiro mundo


rpmt

3/7/07 23:26  
Blogger SCS said...

“Seamos realistas
exijamos lo imposibile.”

Lá está... PERCEBO!
Vira *

4/7/07 19:54  

Enviar um comentário

<< Home