<!-- --><style type="text/css">@import url(https://www.blogger.com/static/v1/v-css/navbar/3334278262-classic.css); div.b-mobile {display:none;} </style> </head><body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d31012094\x26blogName\x3d\x27\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://viravento.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://viravento.blogspot.com/\x26vt\x3d-3594933548471650242', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

Aqui só tu tens segredos.

segunda-feira


.
Quatro da tarde.
Levantei-me para ir tirar uma fotocópia e senti-me passar por um campo de energia.
O meu corpo havia sido apertado para dentro.
Parado.
Encolhido.
Em vácuo.

.
Senti-me novamente visitada pelo fantasma do passado, do presente e do futuro, como se se condensassem em matéria única. A energia com que me tocaram arrepiou-me o corpo até às extremidades.
.

Nenhuma patologia.
Apenas energia.
.
Como se a mão do João crescesse ao tamanho do Pé de Feijão e pousasse peso na cabeça para me obrigar a parar qualquer coisa que estivesse a fazer sem pensar.
Chamada de atenção por força da imposição.
Meditação.
Ebulição inexplicável à ciência que me ensinaram.
Num crescendo.
Inquietação.
Por falta de percepção.
De explicação.
.
Libertei-me de tudo que me tinha a libertar porque me senti no imperativo de parar.
Chegada ao Sótão de todas as magias, obriguei o meu corpo a retrair metabolismo e adormeci num sono mais profundo do que qualquer um que ouvirás a virar páginas pela voz da tua mãe.
.
Quando acordei tinha várias chamadas no telemóvel.
Duas do teu pai.
Às quatro e quarenta e cinco da tarde nasceste tu.
.
Eterno retorno. Astrofísica. Niilismo.
Telepatia. Racionalismo. Impressionismo.
Equações. I Ching. Eletromagnetismo.
Comunismo. Socialismo. Voyeurismo.
Bíblia. Corão. O absoluto do Cepticismo.
Preposições. Precipícios. O absurdo da compreensão.
.
.

Meto a mão do João Pé de Feijão no Oráculo e percorro com ele todas as teorias que um dia tentaram explicar a vida e as suas magias.
Nenhuma delas nos satisfaz enredos.
Linguística.
Ambos sabemos que não foi incenso, ouro ou mirra.
A minha oferenda foi energia.
Maldito canto da boca que me foge para cima e me faz perceber claramente quem me contagia!

.

posted by SCS
5.2.07