<!-- --><style type="text/css">@import url(https://www.blogger.com/static/v1/v-css/navbar/3334278262-classic.css); div.b-mobile {display:none;} </style> </head><body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d31012094\x26blogName\x3d\x27\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://viravento.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://viravento.blogspot.com/\x26vt\x3d-3594933548471650242', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

Arco de Caderno.

sábado


.
Se me recordo da frase de June foi,
Vai a Chinatown e dá cumprimentos meus aos Chineses.”

.
Semáforo vermelho.
Cruzamento.
Olho para a esquerda.
Olho para a direita.
Olho para dentro.
Cumprimento.
.
.
A one block away impulsiona-se, lado a lado da avenida,
um arco vermelho-china.
Plasticina.
Dois imperiais leões. Machões. A definir claras imediações.

Assim.
De repente.
Quente.

Sem perguntar. Sem desbravar. Sem sequer anunciar.

Penso no Ano do Porco e de como nele me resolvo.
Absorvo.
É a primeira vez que levo corpo a domínio empírico chinês.

O que lhe aconteceu?
Desfez.



A secção dos Chás.
Os bules, as louças tão finas.
A jogo sempre de frente para o Ás.
Os pauzinhos para o cabelo,
com que o apanho de momento.
Os copos de bambu,
esse constante aceno eu ou acenas tu?



Falam língua secreta de segredo.
Riem da forma como cheiro um pêssego.
Têm sempre um anel no dedo.

Abre-se um Largo.
No chão, catraios jogam ao Mikado.
O Sol, o Dragão, a Honra,
Tudo se define por uma elegante linha a dourado.

Velho risonho, rasgado, de cigarro enrolado.
Sento eu ou sentas tu?
Sentamos, até estar apagado.

À nossa frente, a Tai Chi Chuangar
esticam-se cinco ausentes corpos.
Meditar.
Gostava de, um dia, saber pertencer a este lugar.

Ora passam duas chinesas todas pop,
ora duas Senhoras de Sombrinha a reboque.
Misturo misto disto
e respiro para mim nova Sorte.

Entro nas Lojas Vaidosas. Maquilhagens, brincos, colares.
Ao espelho, empregadas misteriosas
a experimentarem-se noutros ares.

Três de letra com o casal da Loja das Carteiras, quatro de mímica com o Florista das floreiras.
A força da (c)idade na montra das Passadeiras.
Clareira.

Aprendo eu ou aprendes tu?
Não sou capaz de os fotografar,
de os tirar deste lugar.

Saio do Quartier Chinois por novo Arco.
Olho para cima a passar.
Passo-Lhe por baixo a dançar.

Paro o corpo no meio da rua,
olho para trás, já meio nua.
Talvez um dia seja capaz.

posted by SCS
18.8.07

4 Comments:

Blogger João said...

E eu à tua espera para almoçar :)

domingo, agosto 19, 2007  
Blogger SCS said...

Oh meu amor, isso foi no dia da zona dos Portugueses!

E ontem, foi bem?

Que saudades,
Vira *

domingo, agosto 19, 2007  
Anonymous June said...

deus...

arrebataste-me.

*

quarta-feira, agosto 22, 2007  
Blogger SCS said...

Chinatown é que fez estragos.
Garanto-te que não fui eu!

Saudades da tua Varanda *
Vira.

quarta-feira, agosto 22, 2007  

Enviar um comentário

<< Home