<!-- --><style type="text/css">@import url(https://www.blogger.com/static/v1/v-css/navbar/3334278262-classic.css); div.b-mobile {display:none;} </style> </head><body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d31012094\x26blogName\x3d\x27\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://viravento.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://viravento.blogspot.com/\x26vt\x3d-3594933548471650242', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

Excerto de Caderno.

quarta-feira


le vinte trois, juillet.
.
Os relógios andaram uma hora para trás.
Como se te oferecessem os últimos sessenta minutos para que os possas viver outra vez.

O átrio principal do Aeroporto Mohamed V arfa-me fôlego fundo à primeira vista.
As pernas imobilizam e o pescoço tomba ao seu ângulo mágico limite.
Fico descontextualizada,
sinto-me pequena,
sinto-me corada.

Declaro Rendição na expressão corporal.

Baixo a inquietação e sento-me de frente para a Imigração.

Os europeus, os sul americanos,
japoneses, chineses, coreanos,
os árabes muçulmanos,
os norte americanos.
.
Lenços no cabelo, tecidos lindíssimos até aos pés, até ao fim das mãos,
xador, burcas,
profundo Paquistão.
Mais as pretas assumidas,
sempre tão coloridas.
Sul americanas despidas
e as europeias tão distraídas!

A condição feminina no Mundo atinge nova dimensão.
Talvez pela proporção.
.
.
Mesmo a meu lado, e a ganhar coragem, sentam-se mulher e filha.
Corpo e cabelo coberto.
Seda branca, seda verde. Olho indiscreto, aberto.
Dou por mim de cabelo solto por cima de um vestido muito anos 50,
imagina!, vermelho.

Não descubro quem é mais livre neste momento.
Sinto-as em entusiasmo de viagem,
isso que leva à cara nova aragem.
.
Com a filha fascinada pelos meus pés despidos, descalços, distraídos,
perdida nas pedras das pulseiras, no verniz, na planta de raiz,
fico legalmente presa a perceber a leveza dos lenços,
a vaidade que lhes vejo dentro.
Bonitas.
Têm pele de Artistas.

Cruzamos inevitavelmente o olhar,
como quem pede para tocar.
Sorrio-lhe, porque não me aguento.
Jamais perderia o momento!

Aqui, neste metro quadrado, a energia é de Paz.
O fascínio mútuo, assumido, partilhado.
As zangas internacionais parecem-nos descabidas, banais.

Bem ao jeito de Kyoto,
declaro-me abismada pelo corpo que se senta ao lado.
Tirem-nos lá os trapos..
Definimos todas o mesmo arco.


posted by SCS
8.8.07

4 Comments:

Blogger Carraol said...

Bellas imagenes y me gusta el acomodo y desfilar de las palabras aunque no entiendo todo. Felicidades y Saludos.

quinta-feira, agosto 09, 2007  
Anonymous Jota said...

Que bien que se habla por aqui ;)
So para te dizer que continuo com saudades tuas e que ja comprei a vassoura.
Falta o copo e o prato.
O tempo arrefeceu e está bastante suportável. Devias ca estar agora.

Beijos, beijos, beijos.

quinta-feira, agosto 09, 2007  
Blogger SCS said...

Eso viene de quién viene, es un franco elogio!

Gracias, chico *
Vira.

sexta-feira, agosto 10, 2007  
Blogger SCS said...

Ontem passei por uma Drogaria aqui perto de casa que tinha uma linha de Vassouras,
todas penduradas em exposição.
Lembrei-me de ti.

Um ar quente de leste entra pelas sete janelas abertas do Sótão.
O Vira Vento não mexe, não gira,
nem se agita.
A Bandeira do Quebec, mesmo ao lado, caída.

Os gatos estão cada vez melhor!
Eu bem te disse que quem tem História de Sete Vidas, não escapa a um Amor de Verão.

E estou.
Estou aqui,
olha lá,
agora.

Lenga Lenga, tons Magenta.
Sim, para ti *
S.

sexta-feira, agosto 10, 2007  

Enviar um comentário

<< Home