<!-- --><style type="text/css">@import url(https://www.blogger.com/static/v1/v-css/navbar/3334278262-classic.css); div.b-mobile {display:none;} </style> </head><body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d31012094\x26blogName\x3d\x27\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://viravento.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://viravento.blogspot.com/\x26vt\x3d-3594933548471650242', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

Pedaço de Caderno.

segunda-feira


.
As cortinas do meu quarto de Hotel permanecem abertas.
A vista directa e privilegiada para uma das principais artérias de Downtown – Rue de Sherbrooke - levou-me o último fôlego que tive forças para entusiasmar.

Ergue-se iluminada, cheia de vida a apetecer.

.
.
Declaro este o momento em que percebo o que me está a acontecer.
Abrir as cortinas numa atitude assumidamente Gone With The Wind devolveu-me em estalo a minha determinação.
.
.
..
Para a veleidade que em mim sinto arder,
responde-me uma Cidade sôfrega em luminosidade,
velocidade,
uma Cidade que me repica em Altura à Vaidade.

Identifico ponto preciso à História.
Canadá. Montréal. 24 de Julho, em 2007. 01h11 a.m..
Não conheço uma só pessoa no Continente Americano a quem possa telefonar.
Neste volume de Terra que descuro dimensão,

que perspectivo de cima – género telescópio – como a ilha de uma provação,
não existe uma única pessoa que me vá procurar.
.
Todas as relações induzem início,
todas as ilusões previnem perigo.
.
Abismal este sentir de lugar longe.
Jamais pela possibilidade de me experimentar em quem me apetecer ser
mas por, at last, me encontrar a ser isto que sou,
que me move, arrasta e promove.
.
Não tenho de responder a expectativas.
Ou às cobranças das cobardias.
Não tenho de representar um único papel no Teatro sem Companhia.
.
Começar do zero?

Oh sim, como quero!

posted by SCS
13.8.07

6 Comments:

Blogger La femme qui rit said...

Olá,é a primeira vez que aqui entro.
Comecei o meu blog há uns dias e fizeram-me um desafio...tenho que escolher 7 pessoas....podes ir
lá ver?Como se faz no blogspot um template assim,é que eu gostava de saber!!

terça-feira, agosto 14, 2007  
Blogger SCS said...

Ora viva!

Não tem nada que saber!
No Google fazes pesquisa por 'free template' e dedicas horas de investigação até encontrares um que te satisfaça.

Eu descobri o meu com uma amiga.
Sabes que quando partilhada, qualquer actividade fica na memória de forma agradabilíssima!

Bem Vinda,
Vira Vento.

terça-feira, agosto 14, 2007  
Anonymous JoTa said...

Ena ena
Ja damos licoes de blogosfera. :)
Muitas saudades.
comprei bilhete pela net para ir ver a exposicao dos corpos na 5 feira. Veremos.
beijos e muitas saudades.
Desculpa a falta de acentos, mas aqui nao os tenho

terça-feira, agosto 14, 2007  
Blogger La femme qui rit said...

Obrigada!
Conheces o site www.micazinhasempre.blogspot.com?
é da minha prima,eu vivo aqui perto dela,e nascemos em Maputo!
Eu vi os teus blogs amigos.

terça-feira, agosto 14, 2007  
Blogger SCS said...

Ao fundo o Mezzo em publicidade.

Acendo o meu penúltimo cigarro como se o acendesse na porta da casa que devia apelidar - tua -,
mas que insisto em designar Nossa.
Imagina!

Sempre difícil este voltar.
Estar aqui.
Tentar.

Pode ser Síndrome de Qualquer Coisa que ainda não aprendi a canalizar.
Sei que me ficou debaixo da pele.

E apetecia-me arrancar-te do sofá vermelho,
insistir-te em Calções e Havaianas
e cirandar-nos pelo Passeio das Virtudes como quem sabe pertencer a um lugar.


'Exposição de Corpos' parece-me a melhor designação que alguém lhe podia dar!

Vou desligar o canal,
abrir o Caderno na página tal,
e sonhar com um Mundo igual.

Não tive tempo para telefonar à Segurança Social.
Não te esqueças que tens as batatas no móvel que está por baixo da Torradeira e dos Cereais.
O pano azul-violeta é o da casa de banho.

Hoje saio aos palavrões.
S.

terça-feira, agosto 14, 2007  
Blogger SCS said...

Não conhecia o Blogue mas passei a conhecer!

Estive em Maputo no ano passado. Em Outubro.
E desde que senti o avião a saltar daquela Terra jamais fui a mesma Mulher.

O Gil Vicente é o melhor Bar da Cidade que, por um feliz acaso, pertence a Amigos Meus.
Foi onde vi, a olho de ver, a actuação dos melhores músicos que tive o privilégio de assistir em libertação de alma.

Bons sons,
Vira *

terça-feira, agosto 14, 2007  

Enviar um comentário

<< Home